O CANCROIDE

O CANCROIDE

O CANCROIDE

Provavelmente o sexo é o „prazer mundano” mais „punido” que há. Uma destas infelizes „sanções” naturais é o Cancroide ou o Cancro mole. É uma doença sexualmente transmissível provocada pelo „Haemophilus Ducrey”, uma bactéria (parasita) presente nas mucoses dos organismos humanos ou animais e, apesar de ser conhecida desde há milhares de anos, até a metade do século 18 (e muito tempo depois) era confundida com o sífilis. Foi apenas em 1852 que Leon Bassereau (cientista francês, 1810-1887) conseguiu observar a diferença patológica que há entre o Sífilis e o Cancro mole, mas a sua causa exacta foi descoberta na última parte do mesmo século, por Augusto Ducrey (investigador que deu o nome à bactéria).

É uma afecção altamente contagiosa, muito mais frequente entre os homens, com o período médio de incubação (o intervalo entre a contaminação e os primeiros sintomas) de 4 a 7 dias, transmissível também pelo toque de uma pessoa já infectada, mesmo antes que esta tenha os sintomas específicos a esta doença. Nada de mais maravilhoso, pois não?

Geralmente as mulheres infectadas não têm sintomas, mas se houver, manifestam-se na forma de inchaços (em relevo), de coloração vermelha, ligeiramente dolorosas ao toque.

Nos homens, esta doença provoca uma pápula dolorosa ao toque, cercada por inchaço avermelhado que aumenta rapidamente e em 2-3 dias transforma-se em pústula (vesícula, „bolsa” com pus). Esta rompe e forma uma úlcera purulenta, sangrenta e muito dolorosa na região genital ou perianal (em torno do ânus), mas pode se estender a outras zonas do corpo também.

Em alguns casos as lesões têm uma evolução incomum e surgem em grande número lado ao lado e depois um tempo unem-se e resultam lesões enormes.

Nas mulheres há também corrimentos vaginais esverdeados e fétidos ou dores intensas durante o acto sexual. Que dizer... uma doença maravilhosa!

Um diagnóstico exacto do Cancro Mole é díficil, já que os sinais clínicos são parecidos ao Sífilis, à Linfogranulomatose Venêrea, ao Herpes Genital ou à Donovanose (doenças que também se manifestam por ulcerações genitais). Portanto é necessário fazer um exame microscópico de uma cultura do interior da lesão ou, afim de obter uma maior precisão, é possível que sejam necessárias culturas daquela bactéria em ambientes especiais. Se as lesões forem gravemente infectadas, recomenda-se a biopsia (extirpação através de processos cirúrgicos de um fragmento de tecido vivo para que seja estudado sob o microscópio). E, ironicamente, tudo começa de uma maneira tão agradável... com aqueles arrepios de desejo ardente antes do sexo.

Infelizmente não são poucos os casos em que o Cancroide é acompanhado pelo Herpes Genital, Sífilis ou, pior ainda, pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). Obviamente, um grupo inteiro de amigos muito „simpáticos”, ansiosos por invadir a sua intimidade com o próprio estilo de vida ”hippie”. Por isso, quando há diagnóstico de Cancro Mole, serão feitos testes para outras possíveis doenças também.

O médico especialista (ginecologista ou dermatologista e venerologista) é o único a decidir o tratamento. Ele irá estabelecer a programação de administração dos antibióticos.

Se for feito a tempo, o tratamento é eficaz, não é caro e nem dura muito. Será o médico a decidir, em base aos resultados dos testes, qual a melhor abordagem para cada paciente.

O cancro mole pode curar sozinho depois de algumas semanas, mas deixa cicatrizes muito vizíveis. De maneira nenhuma não deve entender que esperar indiferente equivale a uma vísita ao médico. NÃO SE ESQUEÇA! Há o real perigo que o cancro mole seja acompanhado por outras infecções ainda mais graves. Os parasitas são muito divertidos e fraternizam rapidamente.

Para evitar estas situações desagradáveis, nas relações sexuais recomenda-se usar obrigatoriamente o PRESERVATIVO. A prevenção reduz drasticamente o risco de infecções.